Saiba todos os detalhes sobre o Cânion do Rio Poti, esse tesouro no Nordeste

há 7 meses

Saiba todos os detalhes sobre o Cânion do Rio Poti, esse tesouro no Nordeste

Créditos: Juscel Reis

A natureza agraciou o Piauí com uma paisagem diferente do que se vê no restante do país. Em seu estado quase original, de uma atmosfera quase transcendental e de puro encantamento, o Cânion do rio Poti é um paraíso no meio do sertão nordestino que reúne, em um só lugar, rio, pedras, cachoeiras, fendas geológicas, fauna, flora, arte rupestre e pontos para aventuras radicais.

Esse ponto turístico, que embora sendo conhecido no estado e recebe turistas de outras partes do mundo, ainda é pouco desbravado pelos brasileiros e não tão divulgado em todo país, como ele devidamente merece, pois sua importância é inquestionável! E sua exuberância é algo unânime para quem visita.

E para quem ainda não visitou, saiba que é preciso, pois é sem igual! E para isso, nada melhor do que receber todos os detalhes por quem é da terra. Por isso, o Conheça o Piauí mostra agora para você a localização Cânion, o que você encontrará e, ainda, um guia completo que vai ajudar você a chegar até lá.

#Onde está localizado

Encontrando-se na serra da Ibiapaba, que fica entre o Piauí o Ceará, o Cânion do rio Poti fica localizado, mais precisamente, no município piauiense de Buriti dos Montes, a cerca de 230 km da capital Teresina.

Para chegar até o cânion, há duas rotas, uma pelo município de Juazeiro do Piauí e a outra por Castelo do Piauí.  Porém, o acesso que é mais usado e fácil tem como porta de entrada o município de Castelo do Piauí, pela fazenda do Enjeitado.

Castelo também apresenta diversas outras atrações como a Pedra do Castelo, Cachoeira das Arraias e uma pirâmide. O turismo por lá é garantido!

De Teresina até essa cidade você pode ir de carro próprio ou, se preferir, tem ônibus saindo diariamente. Chegando em Castelo é possível contratar uma van para o transporte dos turistas até o cânion. 

Mas caso queria sair de sua cidade já com todo o roteiro montado e com uma equipe que conhece bem toda a região, é só entrar em contato com o pessoal da Adrenalina, por meio do Maurício. Os telefones são (86) 999973-6851 / 98177-0924. 

#Passeio virtual

#Como chegar até o Cânion

Assim que chegar no município de Castelo do Piauí, zere o odometro em frente à prefeitura e ao Banco do Brasil. Depois é só seguir direto no calçamento pelo caminho que passa pela linha do trem até chegar em uma estrada de piçarra. Até aqui você terá percorrido apenas 0,9 km, até encontrar a igreja da Cohab. Do balão(rotatória) que dá início à estrada de piçarra até o parque do cânion serão 45 km.  

Seguindo por essa estrada de piçarra, em 1,7km você encontrará uma bifurcação, onde terá que permanecer pela via principal. Já com 1,9 km pegue a esquerda e, em 200 metros à frente, passará por um "mata-burro". Mantenha-se pela principal até 8 km, onde chegará no assentamento Angico Branco. Nesse momento, vire à esquerda e siga em frente. 

Em 20,2 km você verá uma outra um bifurcação, onde seguirá pela via principal, ou seja, pela esquerda. Quando chegar em 25,7 km, permaneça pela via principal, dessa vez, a sua direita. Siga em frente, onde, em 26,6 km, encontrará outro "mata-burro", referência que indica a divisa dos municipios de Castelo do Piaui e Buriti dos Montes.

Ao chegar em 31 km percorridos, você passará próximo da parede de uma barragem. Nesse momento, pegue a direita e siga em frente até passar pelo assentamento Miraíma. Em 32,9 km, após o "mata-burro", em frente ao lago, pegue a esquerda. Continue a seguir e, em 41,8 km, você já vai entrar na área do parque estadual cânion do rio Poti. Ao passar da sede da fazenda do Enjeitado é só pegar a direita, seguir em frente, e pronto, chegou ao seu destino!

#Como foi formado o Cânion do Poti

O rio Poti nasce no Ceará, no município de Quiterianópolis, e desagua no rio Parnaíba, em Teresina, tendo a maior parte de sua extensão localizada em terras piauienses.

Da nascente até a foz, o rio passa por diversos trajetos, dentre eles, percorre mais de 80 km por terras cearenses no sentido norte até chegar em um sistema de falhas geológicas do lineamento Transbrasiliano, que ficam no Piauí, de acordo com informações do Serviço Geológico do Brasil(CPRM).

Nesse ponto, o leito do rio é aprofundado, devido a forte ação das águas sobre sedimentos e, ao redor dele, a erosão provocou grandes formações rochosas.

E é justamente nessa falha geológica, esse fenômeno natural que ocorreu há mais de 400 milhões de anos, com todas as suas particularidades, que foi formado o que hoje é o denominado Cânion do rio Poti, especificamente no trecho que corta a serra da Ibiapaba.

#O que você encontra no local

O cânion do rio Poti é um lugar simplesmente sensacional, com uma beleza incalculável. Navegar pelo rio Poti no cânion é ser acompanhado(a) por paredões de pedras com aproximadamente 60 metros de altura, que formam enormes fendas geológicas, abertas pela natureza e o rio.

Em alguns trechos, os paredões de uma margem praticamente se encontram com os da outra margem, formando grandes cavernas, com variadas formas e texturas que foram moldadas pela água, completando um cenário de atmosfera ancestral. E toda essa ancestralidade também está gravada nas rochas.

Em um trecho chamado Poço da Bebidinha, ponto que é bastante preservado, há um grande acervo de arte rupestre, de importância histórica e de grande interesse de pesquisadores.

UIPoço da Bebidinha  Foto: Juscel Reis

Nesse local específico você verá rochas com marcas pré-históricas, com muitas gravuras rupestres que foram talhadas em baixo relevo, com a grande maioria representando figuras geométricas. Marcas essas que ainda foram pouco estudadas e quase nada datado ainda.

Foto: Juscel Reis

Aqui vale ressaltar que essa arte rupestre encontrada no cânion é diferente das que têm na Serra da Capivara, em São Raimundo Nonato(PI), pois nesta elas foram pintadas.

Além de todas as formações rochosas e também dessa relíquia histórica e misteriosa, o cânion conta com uma natureza selvagem e quase intocada pela ação humana. Ao andar e navegar pelo local você se depara com muitas plantas entre as pedras e uma vegetação de transição entre a caatinga e o cerrado, além de ver muitos animais, como lagartos, roedores e diversas aves.

Foto: Juscel Reis

Em alguns trechos também é possível encontrar algumas quedas d’água, onde é permitido tomar um banho e se refrescar do forte calor na região. Ao final do cânion, há ainda uma cachoeira chamada cachoeira da Lembrada, que é de encher os olhos e também é conhecida como a porta de entrada do médio cânion.  

#Parque Estadual do Cânion do Rio Poti

Em 2017, o governo estadual publicou um decreto em que criou o Parque Estadual do Cânion do Rio Poti, compreendendo uma área de mais de 24 hectares de superfície e de 118 de perímetro.

O parque é uma unidade de preservação ambiental que, além do cânion, protege cerca de 1.400 espécies de animais que o espaço abriga e áreas com vegetação de caatinga e de arte rupestre.

Em 2016, a UNESCO já havia sinalizado em transformar o cânion do rio Poti e a natureza ao redor em um Geoparque, que, de acordo com informações do CPRM, é uma marca atribuída pela Rede Global de Geoparques, por meio da UNESCO, onde sítios do patrimônio geológico representam parte de um conceito holístico de proteção, educação e desenvolvimento sustentável.

 

Se tem algo que não há dúvida é a de que você certamente ficou apaixonado(a) por esse roteiro e já quer incluí-lo como seu próximo destino, não é mesmo!

Clicando aqui você confere todas as dicas do que fazer por lá, onde se hospedar e o melhor período para visitar. E não esqueça de nos contar depois o que achou do cânion. 

 

Boa viagem e até a próxima parada!

 

3 comentários Realize o login ou cadastre-se, e entre na conversa !
Usuário

Usuário

Bruna Venturinelli • há 2 meses

Oi! O Almoço custa R$100 na fazenda do Enjeitado? É isso mesmo? Parece estranho esse valor, acho que você acrescentou um 0 a mais sem querer.


Usuário

Nahiza Monteles • há 1 mês

Olá, Bruna. Então, o valor está correto, pois se trata da refeição completa com galinha caipira ou capote. É o valor que geralmente se cobra mesmo. Espero ter ajudado a sanar sua dúvida. Abraços!


Usuário

Nahiza Monteles • há 1 mês

Olá, Bruna. Então, o valor está correto, pois se trata da refeição completa com galinha caipira ou capote. É o valor que geralmente se cobra mesmo. Espero ter ajudado a sanar sua dúvida. Abraços!


CONHEÇA MAIS:

Enviar
Inscreva-se e receba e-mails com os últimos destinos de viagem do Conheça o Piauí
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!
Captcha obrigatório